O desprendimento

Mas quando o desprendimento se torna maior, também perceciono que todos os momentos surgem e vão embora, tal como a fluidez dos ciclos e das marés.

 

E, aos poucos, a serenidade instala-se.

Vinda não se sabe muito bem de onde, é uma serenidade que permite um desprendimento maior da situação que está a ocorrer.

Não porque não se gosta, mas sim porque se vive o momento e o que se passa.

E o desprendimento vem da diminuição das expectativas, vem da sensação de que tudo o que está a acontecer traz algo de útil para mim, mesmo que não seja agradável no momento.

Este permitir que a Vida flua para onde tem de ir, verifica-se quando sei que não controlo nada e que, independentemente do que possa pensar, as situações vão continuar a acontecer. E posso resistir ou apenas observar o que se passa no exterior e no interior.

E, nestes momentos, existem sensações de serenidade, de gratidão e de sintonia. E estes momentos dão lugar a outros, que nos fazem sentir angustia e dor e tristeza.

Mas quando o desprendimento se torna maior, também perceciono que todos os momentos surgem e vão embora, tal como a fluidez dos ciclos e das marés.

O desprendimento vem de uma maior observação do momento, e inicia-se eventualmente com um pensar sobre o que surge e um questionar esses pensamentos.

Possivelmente, ganha-se um espaço muito maior para que os dramas sejam pequenos e se transformem apenas e histórias que mudam e dão lugar a outras.

Fácil?

Talvez não.

Possível?

Assim que fizer sentido.

2 comentários a “O desprendimento

  1. Sónia Ribeiro

    A dificuldade, pelo menos para mim, está em conseguir acreditar, no agora, que me vai trazer alguma coisa de útil. Eu sei q esse desprendimento será útil, mas com o sofrimento q se sente, a dor, não consigo acreditar verdadeiramente q me vai ser útil! Não consigo sentir! E a minha grd dificuldade é mm esssa, o acreditar e o desapego!

    Responder
    1. anapifre Autor do artigo

      Sónia,
      Dói das duas maneiras. Eventualmente posso utilizar essa dor para tentar chegar à origem e, desta forma ficar mais em paz.
      O desapego inicia-se quando deixo de acreditar que aquela dor é propositada e que sou a única pessoa que a sente.
      A vida é realmente feita de ciclos, que são o que são.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *