A paz que desejo provavelmente não existe

E se desejo lutar para obter a felicidade plena, poderei passar todo o tempo nesta guerra incessante e que dá trabalho e muito desgaste.

 

Queremos por vezes muitas coisas que achamos que não temos.

Queremos preencher o vazio, queremos lutar contra a insatisfação, queremos sentir uma felicidade plena.

E queremos paz para todo o sempre.

E é neste desejo de paz permanente que nos perdemos, porque nada é permanente e tudo se transforma.

Quando acho que encontrei finalmente o equilíbrio e que é para me manter ali, a vida dá mais uma volta e surge uma nova situação.

E posso ter reações diferentes perante estas mudanças. Posso tentar agarrar o que acho que está a ir embora, e tentar lutar para manter o que considero melhor para mim.

Ou posso parar para observar o que incomoda, para observar o desconforto que está ali para mim e para os pensamentos que surgem perante uma nova situação.

E se desejo lutar para obter a felicidade plena, poderei passar todo o tempo nesta guerra incessante e que dá trabalho e muito desgaste.

Mas quando paro para observar, presto atenção ao que existe para mim naquele momento.

E pode ser dor ou tristeza ou insatisfação. Pode ser uma guerra interior cuja origem é desconhecida.

Mas não sabemos o que é até parar.

E possivelmente, a paz que desejo pode não ser verdadeira.

Mas poderá existir uma paz que deriva da percepção de que o que acontece não é o que desejo, mas sim o que tem de acontecer.

 

2 comentários a “A paz que desejo provavelmente não existe

  1. Rosa Celeste Abreu Branco

    Obrigada pela mensagem linda, que no fundo me diz tanto mas tanto,a vida por vezes é madrasta e é difícil encontrar aquilo que mais precisamos Paz..

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *