O equilíbrio desequilibrante

E, surpreendentemente, à medida que o tempo passa, quanto mais eu busco esse equilíbrio, mais as situações se tornam frustrantes e mais se desequilibra o dia-a-dia.

 

Parece que por vezes somos bombardeados pelo exterior sobre a necessidade de termos uma vida mais equilibrada.

Tenho de trabalhar menos, tenho de ter um relacionamento, tenho de ter um emprego, tenho de ter filhos, tenho de ser mais magro, tenho de ter mais qualquer coisa para que a vida atual possa fazer mais sentido.

Surgem questões sobre supostos desequilíbrios que existem e cujos aspetos têm de ser melhorados, para que a minha vida possa passar para outro nível.

E lá vamos nós, em busca de algo que nos disseram (ou que lemos algures) que falta na nossa vida e que acreditámos ser verdade.

Ou aprendemos bem lá atrás que existem coisas que têm de estar presentes para sermos felizes.

Supostamente, sem esses elementos, somos pessoas incompletas e temos vidas imperfeitas.

E, surpreendentemente, à medida que o tempo passa, quanto mais eu busco esse equilíbrio, mais as situações se tornam frustrantes e mais se desequilibra o dia-a-dia.

Até aprender a olhar para o que existe no momento, tenho dificuldade em parar para questionar sobre essas supostas necessidades e sobre essas listas das quais temos de picar todos os pontos para que nos encontremos felizes para todo o sempre.

E onde se encontra o meu equilíbrio?

Encontra-se exatamente aqui, neste momento.

Inclui todas as coisas que achei que deveria ter e não tenho, tal como as que considerei que deveriam desaparecer e aqui estão.

A diferença?

Reside na forma como reajo a todas estas necessidades que consideramos impostas pelos outros ou autoimpostas.

Posso continuar a acreditar que preciso de algo para ter equilíbrio, ou posso questionar aquilo em que acredito.

Posso questionar todas estas supostas verdades e parar para ouvir as respostas. Não as respostas dos outros, mas as minhas respostas.

Será que isto é verdade?

Posso continuar a acreditar que sim, que preciso de mais coisas neste momento para ter equilíbrio.

Mas dei-me tempo para olhar para o que aqui vai.

Se parar o suficiente, posso até chegar à conclusão que neste momento tenho tudo o que necessito.

E, se assim for, será que ainda tenho necessidade de mais equilíbrio?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *