A luz e a sombra do tempo

O tempo pode dar-nos a leveza da flexibilidade ou a dureza da amargura.

 

O tempo traz serenidade sobre as situações passadas, mas também pode trazer ressentimento e mágoa.

A forma como observamos os pensamentos que vão surgindo e como reagimos, ajuda o tempo a deixar-nos serenos ou magoados relativamente a essas situações.

À medida que o tempo passa, instala-se uma maior flexibilidade, quando compreendemos que tudo é relativo e que, quando a Vida quer fluir numa determinada direção, nada se pode fazer para deter esse fluxo e que apenas conseguimos adiar o seu movimento.

Ou não…

Porque por vezes, o tempo instala a mágoa e o ressentimento, a dureza e a amargura.

E estas sensações derivam do facto de não saber como fazer para fluir na corrente, por achar que tudo tem de ser feito à minha maneira e que o que me rodeia está errado.

Porque acredito que tudo o que está lá fora não está certo e que caminhamos para o abismo.

O tempo pode dar-nos a leveza da flexibilidade ou a dureza da amargura.

Mas será mesmo o tempo que nos provoca estas marcas?

Ou serei eu que me posso ajustar, ao parar para observar o que se passa, tornando-me uma pessoa mais serena, à medida que a Vida flui e vai acontecendo à sua maneira?

Escolher a luz do tempo, poderá significar apenas não reagir automaticamente e ficar enquanto observador do meu redor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *